Home / Destaque / “Eu dei mais um passo para o diálogo entre as religiões e continuarei por esta caminhada”, disse Babalorixá presente na canonização de Santa Dulce dos Pobres

“Eu dei mais um passo para o diálogo entre as religiões e continuarei por esta caminhada”, disse Babalorixá presente na canonização de Santa Dulce dos Pobres

Fotos: Leandro Oxumaré

A canonização de Irmã Dulce no domingo (13/10) no Vaticano,
reuniu milhares de pessoas e mais de 10 mil brasileiros, entre eles estava um
representante das religiões de matriz africana, o Pai de Santo do Oxumarê, tradicional terreiro do bairro do
Engenho Velho da Federação, em Salvador, o Babalorixá Silvanilton da
Encarnação da Mata conhecida como Babá Pecê, que admira a santa Dulce há anos.

A relação com a freira católica é antiga e surgiu em um
momento delicado de sua vida, após um aneurisma a mãe dele Nilzete Encarnação
Austriquiliano,mais conhecida como Mãe Nilzete de Yemọja permanecia internada
há vários dias,  muito doente e
precisando de um medicamento em falta no hospital, ele recorreu à freira
católica para pedir ajuda e com uma ligação irmã Dulce resolveu o problema
solicitando que o exército (única entidade com o medicamento na ocasião)
enviasse várias unidades que ajudaram não só a sua mãe como a vários outros
pacientes.

“Meu filho, já temos o remédio. Se depender dele, acabou o
problema. Mas, vamos rezar… Reze com os seus santos, enquanto eu rezo com os
meus. Deus é um só, meu filho! Que seja feita a vontade dele! Que aconteça o
melhor para sua mãe!”, afirmou Dulce para Babá, que no momento aprendeu várias
lições como solidariedade, generosidade, altruísmo, dedicação e, sobretudo,
respeito à diversidade religiosa.

Você tem uma relação com a irmã Dulce desde quando ainda não era Babalorixá, pois ela ajudou a encontrar um remédio para a sua mãe, mas o que levou ele a procurá-la naquela época, já existiu alguma devoção?

Irmã Dulce era muito conhecida na Bahia, suas ações sociais,
sua compaixão e defesa pelos mais necessitados me fizeram naquele momento desesperador
procurar a Santa freira. Eu já a admirava muito e depois de testemunhar sua
generosidade e seu engajamento em ajudar, dar um acalento, passei a ser grato e
deter por ela um sentimento muito profundo.

Naquele dia aprendi muito, ela incentivou minha luta pelos
mais vulneráveis, ela atuou na minha vida como um paradigma de respeito e
interação com outras religiões, pois mesmo sabendo que eu e minha mãe éramos de
outro seguimento religioso não deixou de nos ajudar, sendo extremamente
solidária e caridosa.

De fato, uma semente do bem foi semeada em meu coração
naquele dia.

O que te motivou a
acompanhar a canonização e o que sentiu representando todos os religiosos de
matrizes africanas?

Amor, gratidão e respeito. Foi também demonstrar que as
religiões afro-brasileiras existem e estão abertas ao diálogo religioso e
engajadas em se unir para propagar e fomentar o amor e respeito.

Fui  movido pela fé é
pela militância no que se refere à tolerância religiosa

Qual recado manda
para os intolerantes de plantão?

Se verdadeiramente queremos uma unidade, temos que dar
passos e caminhar de encontro ao outro. Precisamos nos despir da vaidade e
compreender que não existe religião melhor ou religião detentora de uma única
verdade, eu compreendo que a religião existe para dar apoio ao indivíduo,
disseminar valores com caridade, compaixão e amor.

Eu dei mais um passo para o diálogo entre as religiões e
continuarei por esta caminhada.

Deus é um só com nomes diferentes adorado por povos
distintos detentores de suas próprias culturas.

Assim temos que ter respeito a todas as formas de adorar a
Deus, mas sobretudo respeito ao que Deus nos proporcionou, nosso planeta e tudo
que nele habita. Respeitar a vida, respeitar seu próximo é de fato amar ao
criador.

O que mais te marcou durante
a canonização?

A fé daquela multidão, aquelas pessoas ali em pé durante horas, emanadas em um só propósito. Me emocionei muito.

LEIA MAIS!

O post “Eu dei mais um passo para o diálogo entre as religiões e continuarei por esta caminhada”, disse Babalorixá presente na canonização de Santa Dulce dos Pobres apareceu primeiro em Mídia 4P.

Fonte: midia4p.cartacapital.com.br

Faça aqui seu Comentário

Veja Também

Virtual candidato em Ilhéus, Bebeto Galvão dispara contra prefeito: saúde municipal está um desastre

Possível pré-candidato a prefeito de Ilhéus, o senador suplente Bebeto Galvão (PSB) disparou contra a ...

ILHÉUS: GAROTA DENUNCIA TER SIDO ESPANCADA NA FRENTE DO FILHO PELO SOBRINHO DO PREFEITO MARÃO (PSD), LUCAS ALEXANDRE QUE ESTÁ FORAGIDO.

Jovem teve perna fraturada e hematomas em várias partes do corpo, como rosto, barriga, costelas, ...

TJ-BA nega recurso do Estado e mantém linhas de ônibus com São Luiz e Falcão Real

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Gesilvaldo Britto, negou recurso ao Estado ...

Advogado pede ‘intervenção’ do MP no turbulento caso de grilagens no Oeste da Bahia

O caso de grilagens de terra no Oeste da Bahia segue no centro de sucessivas ...

Contra o Vitória, técnico do Operário quer deixar ‘boa impressão’ para os torcedores

Operário e Vitória se enfrentam nesta terça-feira (19), pela 37ª rodada da Série B do ...

Bombeiro baiano é destaque em Campeonato Brasileiro de Salvamento Aquático

O cabo Magno Cássio Cardoso Caldas, do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, foi destaque ...

Elenco de ‘His Dark Materials’ vem ao Brasil para a CCXP 2019

Após Netflix e Warner Bros. chegou a vez da HBO anunciar algumas de suas estrelas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *